Doze Homens e Uma Sentença

Doze homens e uma sentença

Imagem Divulgação / Doze homens e uma sentença

Para os amantes de teatro, eu indico esta peça, uma das melhores que eu vi nos últimos tempos. Segue abaixo o release da assessoria de imprensa Arte Plural.

Indicada ao Prêmio Shell de Melhor Direção (Eduardo Tolentino) e Melhor Ator (Norival Rizzo), a peça – que ganhou o Prêmio APCA 2010 de Melhor Espetáculo Teatral do ano – reestreia no Teatro Imprensa. A adaptação – inédita para o teatro do clássico filme dos anos 50 – tem direção de Eduardo Tolentino de Araújo e marca a volta aos palcos do ator José Renato

Prêmio APCA de Melhor Espetáculo do ano, 12 Homens e uma Sentença segue em temporada, agora no TEATRO IMPRENSA, com sessões de quinta a domingo. A trama de um dos melhores filmes de tribunal da história (12 Angry Men, EUA, 1957, de Sidney Lumet, na tradução literal 12 Homens Furiosos) foi montada pela primeira vez no teatro brasileiro, com produção da atriz e jornalista Ana Paz e do ator Mário José Paz. O texto de Reginald Rose tem tradução de Ivo Barroso, encenação de Eduardo Tolentino de Araújo e cenografia e figurino de Lola Tolentino.

O elenco apresenta Norival Rizzo (no papel interpretado nas telas por Henry Fonda, o jurado n. 8) e Genézio de Barros, personagem vivido por Lee J. Cobb no cinema. Depois de décadas sem subir ao palco, o ator José Renato fez sua volta triunfal como o velho homem que dá o primeiro voto de inocente. Oswaldo Mendes, Eduardo Semerjian, Haroldo Ferrary, Riba Carlovich, Ricardo Dantas, Brian Penido, Augusto César, Fernando Medeiros, Ivo Müller e Adriano Bedim completam a magnífica seleção de atores.

O calor escaldante do Verão de nova York faz o suor pingar do rosto dos 12 homens trancados a chave numa pequena e claustrofóbica “sala de júri”. Depois de dias de julgamento, está em suas mãos decidir a sorte do réu. O mais importante: o veredicto precisa ser unânime. Se os 12 enclausurados jurados considerarem o réu culpado do assassinato do próprio pai, ele será executado, mas se um deles tiver uma dúvida razoável a respeito da culpabilidade, o garoto não poderá ser condenado.

Para o diretor Eduardo Tolentino, o desafio de transpor o filme para os palcos está no trabalho de atores. “Trata-se de algo que envolve idéias e discussões, por isso é importante saber como tornar isso ao mesmo tempo atraente e impactante, como no filme. Precisamos estruturar a montagem para que vá além da fala e esteja tanto no corpo dos atores como no palco.”

Doze homens e uma sentença

Imagem Divulgação / atores da peça Doze homens e uma sentença

A produção
A ideia de montar o espetáculo foi dos produtores e idealizadores do projeto, o casal de atores Ana Elisa Paz e Mario José Paz. Ela, carioca; ele, argentino, que vivem entre Rio e Búzios, no Litoral carioca, onde mantêm uma charmosa pousada, que abriga o Cine Bardot. A peça estreou em 19 de novembro no Centro Cultural Banco do Brasil (SP).

Apaixonado por cinema, Mario José Paz (que está no Brasil há 32 anos e, recentemente, viveu o personagem Maradona na novela Páginas da Vida, de Manoel Carlos, Rede Globo) conta que 12 Homens e uma Sentença foi um filme marcante em sua vida. Morando ali em Búzios com a família, o cinéfilo Mario e sua mulher Ana Paz criaram o Cine Bardot e o Búzios Cine Festival (hoje na 16a. edição).

O projeto de montar o espetáculo ganhou corpo quando, em Londres, no National Theatre, Ana comprou o texto de 12 Homens e uma Sentença. A partir daí, o convite para o diretor Eduardo Tolentino de Araújo – com quem Ana já havia trabalhado em outros espetáculos – foi um pulo.

Esta é a quarta produção teatral do casal no teatro – antes vieram As Cadeiras (de Eugène Ionesco, com Ana Paz e Ricardo Blat, no Rio, em 2004) e Sonho…ou não? (de Luigi Pirandello, direção de Tolentino, com Ana Paz e Giuseppe Oristânio, no Rio, em 2008) e a próxima é Rosa (de Martin Sherman, a estrear em maio, no Rio), com direção de Ana Paz.

Com dramaturgia elaborada numa escala gradual de unidades dramáticas, o texto vai envolvendo o espectador na medida em que a história vai sendo contada. Doze atores em cena o tempo todo, a peça cria um fascinante embate, que culmina em um prazeroso desfile de uma amostra da sociedade.

Os produtores entendem que é muito oportuna a encenação desse texto no Brasil de hoje. “Pelo fato dele trazer em si um ótimo exercício de discussão e argumentação que alcança o interesse público, a peça é uma astuta análise sobre a própria democracia. De acordo com Ana Paz, “o jurado 8 coloca diante de todos a importante e difícil tarefa de se isentar de crenças, preconceitos e emoções (vaidades, disputas e competições) para conseguir isolar os fatos, um a um, e trabalhar em conjunto para uma avaliação pragmática. Consideramos este texto valioso para a nossa platéia atual”.

O filme e a história criada para a TV
Esta montagem conduz ao tablado o clássico que trazia no elenco também Martin Balsam, E.G.Marshall, Jack Warden, Ed Begley, Ed Binns, Jack Klugman. O filme, em preto e branco, recebeu três indicações ao Oscar – melhor filme, melhor direção e melhor roteiro adaptado. Henry Fonda ganhou o Bafta como melhor ator. Lumet venceu o Urso de Ouro de melhor filme no Festival de Berlim. No total, foram 13 prêmios e seis outras indicações. Fato curioso é que o filme, exceto três minutos de projeção, foi gravado dentro de uma pequena sala.

A história foi criada originalmente como uma peça feita para a TV e apresentada ao vivo em 1954 pela CBS; durante décadas acreditou-se que a apresentação original havia se perdido, até que, em 2003, houve a descoberta de uma fita gravada com o programa.

12 Angry Men

Imagem divulgação / 12 Angry Men

Henry Fonda viu a apresentação na TV e ficou impressionado com a peça. Reconhecendo um papel que se adequava com perfeição à sua sinceridade tranqüila e vendo a oportunidade de um filme emocionante, Fonda o produziu do próprio bolso. Entregou a direção a Lumet, um dinâmico veterano do teatro de TV ao vivo, cuja experiência lhe permitiu – e ao diretor de fotografia Boris Kaufman, outro especialista em trabalhar em espaços limitados e em preto-e-branco – extrair a tensão galopante do roteiro bem amarrado de Rose e concluir o filme em menos de 20 dias.

A telepeça de Reginald Rose recebeu uma refilmagem em 1997, também feita para a TV, com o mesmo título original. Foi dirigida por William Friedkin, o diretor de Operação França e O Exorcista. O elenco de grandes nomes tinha Jack Lemmon no papel que havia sido de Henry Fonda, George C. Scott ocupando o lugar de Lee J. Cobb, e os outros jurados foram interpretados por Armin Mueller-Stahl, James Gandolfini, Edward James Olmos e Hume Cronyn.

Entre as montagens teatrais da história no mundo, destaque para a de Harold Pinter, em 1996. Em 2003 o texto teve uma encenação aclamada no Festival de Edinburgo, com Owen O’Neill no papel do jurado 8. Vale ressaltar também a montagem do grupo Roundabout, de Nova York, em 2005, com três indicações para o TONY – melhor revival, melhor direção e melhor ator protagonista – além de vários outros prêmios.

OS ATORES FALAM DE SEUS PERSONAGENS

Brian Penido Ross – Jurado N.º 1
“É o presidente do júri, seu papel é coordenar tudo e todos. Trabalha como professor de educação física em uma escola, o que o torna apto para o papel que desempenha, tendo sempre que manter a ordem no recinto. Entre suas funções estão a de zelar para que todos estejam sempre presentes, ouçam e tenham o direito de manifestar suas opiniões. Faz a comunicação do lado interno com o lado externo da sala, que é a sala do tribunal.”

Ricardo Dantas – Jurado N.º 2
“É contador, trabalha em banco, cara tímido, muito inseguro em suas posições. Começa expondo essa insegurança, depois vai se empolgando e fazendo as alianças durante o processo de discussão. Vai ganhando um pouco mais de confiança, no final. No começo, deixa-se levar pela maioria. Tem dificuldade de colocar suas opiniões, mas aos poucos vai simpatizando com o jurado 8, o cara que começa a mudar tudo dentro daquela sala.”

Genézio de Barros – Jurado N.º 3
“É o mais volúvel, o mais passional. A grande dificuldade dele é justamente essa. Ele pretende ser uma pessoa equilibrada e não consegue, leva tudo para o lado pessoal. Então, o seu julgamento passa pelo crivo pessoal. Ele não consegue ficar isento porque tem um filho problemático também, e eles estão julgando um garoto problemático. Assim, por conta de seu espírito apaixonado, o conflito ganha ainda mais tensão.”

Oswaldo Mendes – Jurado N.º 4
“Ele tem um escritório de corretagem de ações, trabalha na bolsa de valores e joga bridge, um esporte que envolve muita lógica e raciocínio. É uma pessoa muito objetiva, que visa sempre aos fatos em suas análises. Também é um pouco frio nas observações e não se envolve emocionalmente no caso, o que reflete sua personalidade totalmente racional. É um dos três últimos a dar o braço a torcer, atitude que só toma quando uma dúvida razoável surge em seu interior.”

Augusto César – Jurado N.º 5
“Como nasceu no mesmo bairro do acusado, tem a mesma história de vida. Morou em cortiço a vida toda, assim como o menino acusado. Mas conseguiu ter outro tipo de vida e agora é enfermeiro em um hospital no Harley. Saiu do antro onde foi criado. Começa com pouquíssima dúvida a respeito da culpabilidade do réu, mas mesmo assim ainda vota em culpado, baseado nas evidências apresentadas. Durante a discussão, começa a passar para o outro lado. É o primeiro a mudar o voto, baseado nas discussões.”

Fernando Medeiros – Jurado N.º 6
“Um cara honesto, educado, preocupado com as pessoas, com as boas maneiras, tanto que quando os caras tratam mal o jurado número 9 (José Renato), um senhor mais velho, ele prontamente intervém e exige respeito. Fica convencido, desde o primeiro dia, de que o rapaz é culpado. Também se mostra aberto para ouvir o que o número 8 (Norival Rizzo) tem a dizer.”

Haroldo Ferreira – Jurado N.º 7
“É uma pessoa totalmente apaixonada por beisebol. Justo neste dia decisivo do julgamento, em que o júri precisa chegar a um veredicto unânime, ele tem um jogo (“muito importante para ele”) dos Yankees versus Cleveland. Suas atenções estão focadas na partida, e ele não vê a hora de ir embora para poder ir ao jogo. Por isso, quer tomar uma decisão rápida, e realmente acredita que há uma unanimidade e que o rapaz vai ser condenado. À medida que o número 8 (Norival Rizzo) começa a levantar dúvidas, o desespero do personagem vai aumentando, pois o jogo está para começar.”

Norival Rizzo – Jurado N.º 8
“É o homem que deflagra o problema no espetáculo, porque é quem dá o primeiro voto de inocente ou não culpado. O que significa que existe uma dúvida razoável para que haja uma condenação. Como ele tem dúvida, não condena. Não considera o sistema judiciário infalível e não concorda com a pena de morte. Nesse sentido, já de cara, ele é contra. Ele vai levantando questões para as pessoas, deixando as dúvidas aparecerem em cada um dos jurados.” Quando começa a ter dúvida já não pode afirmar com tanta categoria que o réu é culpado e aí a questão influencia o voto dos outros jurados.”

José Renato – Jurado N.º 9
“Velho professor aposentado, vive com sua família. É um homem que administra bem o seu dia a dia, voltado à generosidade e preocupado com todas as condições humanas que decorrem da convivência entre as pessoas. Ele tem pena do garoto/ que está sendo julgado, mas seria implacável, provavelmente para condená-lo, se não despertassem nele dúvidas razoáveis sobre a culpabilidade do réu. Diante dos motivos levantados por um dos jurados, coloca-se imediatamente ao seu lado e, a partir daí, se desenrola o combate entre os jurados que acreditam ser o réu culpado e tem que ser condenado.”

Riba Carlovich – Jurado N.º 10
“É o mais fascista de todos. Terá um embate direto com o personagem que faz com que todos os outros mudem de opinião. O fato da dúvida levantada faz com que se modifique a história inteira, e isso pode acontecer em qualquer período, por isso esta peça é muito atual. Trata-se de uma peça humanista. Acha que as pessoas podem mudar de opinião e, às vezes, até devem.”

Eduardo Semerjian – Jurado N.º 11
“Ele é um estrangeiro. Teoricamente, um judeu, deve ter participado da guerra, é uma pessoa que sofreu as agruras de um aprisionamento, de ser oprimido. A ideia é que depois da guerra ele veio para os EUA, onde tinha a esperança de ter uma vida mais livre, democrática, ter opiniões e liberdades. É um personagem que, às vezes, sofre preconceito por parte dos outros 10, e que também reafirma o tempo todo o compromisso e o orgulho de ser aceito como cidadão americano (provavelmente foi naturalizado). Muito educado, correto, certinho. Percebe que tem que lutar pela justiça. É uma pessoa firme nos seus ideais.”

Ivo Müller – Jurado N.º 12
“Jovem publicitário, extremamente ambicioso, que enxerga o encontro como uma reunião de trabalho. Ao contrário dos outros, não está preocupado em sair logo dali, e aproveita o tempo nesse júri para desenvolver idéias, discutir, conversar, tentar vender algum produto e até mesmo praticar o exercício da publicidade. É o cara que fica em cima do muro.”

Adriano Bedim – o guarda.

PARA ROTEIRO
12 HOMENS E UMA SENTENÇA – Reestreia dia 10 de fevereiro, quinta, 21h, no Teatro Imprensa. Texto – Reginald Rose. Direção – Eduardo Tolentino. Tradução – Ivo Barroso. Elenco – Norival Rizzo, Genézio de Barros, José Renato, Oswaldo Mendes, Eduardo Semerjian, Riba Carlovich ,Haroldo Ferrary, Ricardo Dantas, Brian Penido, Augusto César, Fernando Medeiros, Ivo Müller e Adriano Bedim. Produção – Ana Paz. Duração – 100 minutos. Censura – 12 anos. Ingresso – R$ 30 (quinta), R$ 40 (sexta e domingo) e R$ 50 (sábado). Horário – Quinta, sexta e sábado, 21h; domingo, 19h. Estreou 19 de novembro de 2010 no CCBB. Nova temporada – de 10 de fevereiro a 1º de maio de 2011.

SERVIÇO
TEATRO IMPRENSA – Rua Jaceguai, 400 – Bela Vista. Informações – (11) 3241-4203. Capacidade – 449 lugares. Aceita cartões de débito. Ar condicionado, acesso para portadores de necessidades especiais. Estacionamento conveniado na Rua Jaceguai, 454 – Preço único R$ 10,00. Bilheteria – de terça a sexta-feira, das 14 às 19 horas. Dias de espetáculo – das 14 horas até o início da apresentação. Ingressos por telefone – Ingresso.com – (11) 4003-2330 (de segunda-feira a sábado, das 9 às 21 horas) ou pelo site http://www.ingresso.com.br

Anúncios

Sobre tete a tete de menina

Fashion journalist
Esse post foi publicado em Cultura e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s